Monthly Archives

julho 2018

Simplesmente é preciso ir embora

Nos ultimos 8 meses minha vida resolveu dar uma reviravalta grande, eu sai da casa dos meus pais, virei gente grande pois agora eu preciso resolver os boletos, problemas e coisas que todo adulto precisa gerenciar.  E deixar o blog de lado fio algo que precisei fazer para poder dar prioridade a pós que estava no ultimo semestre, mas ainda falta o famoso TCC. Nesses ultimos meses eu cresci muito como pessoa, como ser, passei por algumas transformações internas, aprendi que não posso e nem devo agradar a todos, que as pessoas podem mudar com você do nada e sem explicação e isso está ok! Que pessoas vão embora de sua vida e isso não sigifica o fim e que mesmo longe se a amizade for verdadeira nada vai mudar! Que as vezes as pessoas nos magoam sem nem ter percebido e isso só cabe a ao seu eu interior lidar!

 

Eu precisei a aprender a lidar com a perda por distancia, tenho um amiga que amo muito que agora está em Londres e uma que foi para New York e como isso precisei lidar com essa pequena perda e tem um texto que me ajuda muito.

É o texto Antônia Macchi - É PRECISO IR EMBORA.

Ir embora é importante para que você entenda que você não é tão importante assim, que a vida segue, com ou sem você por perto. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e resolvem os problemas que antes você acreditava só você resolver. É chocante e libertador – ninguém precisa de você pra seguir vivendo. Nem sua mãe, nem seu pai, nem seu ex-patrão, nem sua empregada, nem ninguém. Parece besteira, mas a maioria de nós tem uma noção bem distorcida da importância do próprio umbigo – novidade para quem sofre deste mal: ninguém é insubstituível ou imprescindível. Lide com isso. É preciso ir embora.

Ir embora é importante para que você veja que você é muito importante sim! Seja por 2 minutos, seja por 2 anos, quem sente sua falta não sente menos ou mais porque você foi embora – apenas sente por mais tempo! O sentimento não muda. Algumas pessoas nunca vão esquecer do seu aniversário , você estando aqui ou na Austrália. Esse papo de “que saudades de você, vamos nos ver uma hora” é politicagem. Quem sente sua falta vai sempre sentir e agir.

E não se preocupe, pois o filtro é natural. Vai ter sempre aquele seleto e especial grupo que vai terminar a frase “Que saudade de você…” com “por isso tô te mandando esse áudio”; ou “porque tá tocando a nossa música” ou “então comprei uma passagem” ou ainda “desce agora que tô passando aí”. Então vá embora. Vá embora do trabalho que te atormenta. Daquela relação que você sabe não vai dar certo. Vá embora “da galera” que está presente quando convém. Vá embora da casa dos teus pais. Do teu país. Da sala. Vá embora. Por minutos, por anos ou pra vida. Se ausente, nem que seja pra encontrar com você mesmo. Quanto voltar – e se voltar – vai ver as coisas de outra perspectiva, lá de cima do avião. As desculpas e pré-ocupações sempre vão existir. Basta você decidir encarar as mesmas como elas realmente são – do tamanho de formigas."